O boleto registrado mudará algo em seu controle financeiro?

O boleto registrado mudará algo em seu controle financeiro?

A partir do dia 22 de setembro, o boleto registrado será uma exigência para todo tipo e valor de faturamento no Brasil.

De acordo com a determinação dos bancos brasileiros, saem de cena os boletos comuns e entram os registrados, que prometem vantagens mas também, levantam alertas no dia a dia das empresas que cobram por boleto bancário. 

A mudança é geral e vai ser significativa para as empresas, tanto na parte operacional como nas estratégias de gestão. Além disso, ela ainda pode afetar a forma como você faz o  seu controle financeiro. 

Continue lendo o artigo para descobrir as implicações da mudança e como se adaptar corretamente a ela!

O que é o boleto registrado?

O boleto registrado é um documento de cobrança cujos dados são previamente gravados no banco responsável pela emissão. Assim, esse tipo de boleto é mais seguro e pode ser protestado em caso de inadimplência.

Dessa forma, o banco emissor tem mais transparência na cobrança e o boleto registrado oferece mais segurança nas transações, tanto para o consumidor quanto para os beneficiários da cobrança.

O que muda com o boleto registrado?

A partir de setembro, todas as transações via boletos bancários deverão seguir o modelo com registro. A determinação veio por parte da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), representando os bancos emissores de boletos no Brasil.

Chegam ao fim as cobranças simples e sem registro e entram em vigor as cobranças devidamente registradas pelos bancos. Assim, a ideia é que as transações fiquem cada vez mais seguras, transparentes e eficazes. 

Com o fim do boleto simples, as prestadoras de serviços poderão rastrear, junto aos bancos, todos os dados referentes à cobrança emitida. Além disso, fica muito mais seguro com o registro a verificação de dados referentes ao boleto – o que vai ajudar a evitar fraudes, com o uso de dados incorretos ou de terceiros.

Por parte das empresas que realizam transações via boleto bancário, porém, mudanças precisam ocorrer tanto na operacionalização das emissões quanto na gestão financeira de forma geral.

Quem contrata softwares de gestão financeira para emitir boletos precisa ficar de olho nas melhores soluções. A maior parte dos sistemas já está oferecendo o suporte ao novo modelo a preços diferentes.

Dentro da sua estratégia de gestão financeira, procure aquela que melhor se adequar à necessidade da sua empresa.

boleto-registrado-controle-financeiro

Como o boleto registrado pode afetar o seu controle financeiro

Quem trabalha com boletos e se preocupa em fazer um bom controle financeiro precisa ficar atento às mudanças. Por um lado, custos novos entrarão em cena, mas grandes vantagens também.

Os sistemas de emissão poderão reajustar preços para se adequar à nova regra, mas em compensação, será mais fácil correr atrás dos pagamentos, lutar contra a inadimplência e oferecer transações mais seguras para os clientes.

Na prática, em primeiro lugar, o controle financeiro eficaz exige registro de todas as transações e gastos da empresa. Como o boleto registrado requer uma mudança e gastos diferentes com a emissão das cobranças, a estratégia de gestão financeira precisa registrar e atualizar os gastos com o novo formato.

O valor e os gastos com o boleto registrado precisam ser registrados pois vão passar a representar gastos fixos que as empresas terão em todas as suas cobranças. Para controlar corretamente o que entra e sai nas contas da empresa, essas informações precisarão ser devidamente registradas e acompanhadas de perto.

A adoção do boleto com registro também traz uma vantagem que acaba refletindo na estratégia de gestão financeira. As cobranças registradas permitirão ações, por parte das empresas, para evitar inadimplência.

Isso porque os boletos poderão ser protestados junto a um o cartório de títulos. 

Os dados do boleto registrados, de posse do banco emissor, poderão ser utilizados para cobrar quem não efetuou o pagamento e buscar, junto ao cartório da sua cidade, o pagamento do título. A partir daí, será possível pensar em ações mais eficazes para sair do vermelho mais facilmente.

Para fazer corretamente a transação e emitir o boleto registrado até o prazo final em setembro, as empresas precisarão de uma boa ferramenta para auxiliar no controle financeiro.

Por isso, vale a pena conhecer o Sistema de Gestão Financeira da Hinova. O SGF realiza todas as atividades relativas ao financeiro, como a emissão de nota fiscal eletrônica (NFe), boletos e carnês.

O controle de inadimplência e a gestão de cobrança também podem ser executados por meio do sistema, que possui recursos e relatórios totalmente customizados. Clique aqui para conhecer o sistema e falar com um especialista da Hinova sobre as soluções disponíveis!

Deixe seu comentário aqui

comentários